MARIA FLOR NORONHA

Localizada na ilha de Fernando de Noronha, em Pernambuco, patrimônio natural e cultural do Brasil, o projeto para a Pousada MF visa integrar, de maneira harmoniosa e respeitosa, arquitetura e natureza, partindo da premissa de que a paisagem da ilha deve ser preservada. A estratégia de implantação acomoda o edifício à topografia natural do terreno, setorizando os ambientes da pousada em quatro níveis: privado, coletivo, restrito e público. O projeto se divide em três blocos ao longo do lote: o primeiro, localizado próximo a rua, abriga recepção e salas administrativas no pavimento térreo, cozinha gourmet no pavimento superior e mirante aberto em sua laje mais alta. O segundo e principal bloco contém 12 suítes, áreas de circulação, descanso, contemplação e áreas técnicas previstas em laje de cobertura e pavimento térreo, ele se separa do bloco anterior por um pátio. Por fim, o terceiro bloco se encontra na porção mais interna e elevada do lote, abrigando a piscina da pousada, local de descontração e deleite.

Todos os ambientes da pousada se abrem para a privilegiada vista da face norte do lote. Os quartos, em especial, têm empenas totalmente envidraçadas com varandas privativas. Um convite ao desfrute da paisagem. A definição da materialidade do edifício aconteceu em acordo com as políticas de sustentabilidade da ilha. Optamos pela estrutura metálica por conta de sua pré-fabricação, resultando em maior agilidade construtiva e baixa geração de resíduos.

Além de propor sistemas construtivos que reduzem a produção de resíduos, o projeto prevê a utilização de produtos com selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Alguns exemplos são os pisos monolíticos da Mapei e as soluções de construção em madeira da Accoya. As ripas de Accoya – uma madeira geneticamente modificada para maior resistência a intempéries – criam envoltória permeável, que possibilita a ventilação completa do edifício ainda o protegendo da incidência direta da luz. O ritmo dos elementos em madeira, a estrutura metálica verde escura e a pedra, material de base que toca o chão, atuam no limite entre desenho humano e natural. Os sistemas complementares da pousada foram projetados visando que eventuais manutenções não interrompam ou perturbem a experiência do hóspede,

através de shafts localizados fora das suítes. A edificação também conta com uma cisterna com capacidade de até 80 mil litros e um conjunto de alimentação elétrica composto por 54 placas fotovoltaicas localizadas na área técnica da cobertura. Todo o edifício foi projetado conforme as normas brasileiras de acessibilidade.